O empresário Carlos Wizard, cotado (ainda não é) para ser Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde falou o que não devia, nesse último sábado, 06. Ele acusou governadores, prefeitos, secretários de Estado e de Municípios de fraudarem informações sobre óbitos decorrentes do Covid-19, com o objetivo de receberem mais recursos de ajuda do Governo Federal para compensar os ônus da trágica pandemia em seus Estados e Municípios. Houve pronta reação por parte das autoridades que se dizem alcançadas pela fala, que muitos taxaram de “irresponsável, burra e desrespeitosa para com os que trabalham incessantemente nas frentes de combate à pandemia como também às famílias das vítimas do Coronavirus.  Wizard deverá receber centenas de interpelações judiciais a serem protocoladas em todo país. Como não é ministro ou ocupante de cargo equivalente, os procedimentos próprios correrão no Judiciário de 1ª. Instância. Além disso, o que mais impressiona é o fato de um empresário sem qualquer militância no segmento da Saúde estar há semanas dando palpites na rotina do Ministério considerado hoje o mais importante do país, dadas as demandas que opera, num momento em que quase 40 mil pessoas estão mortas.