Minas Gerais acelera e acaba de ultrapassar a inédita marca de 2 gigawatts (GW) em operação da fonte de energia solar, somando as grandes usinas centralizadas (635,4 megawatts) e os pequenos e médios sistemas de geração própria em telhados e áreas de residências, condomínios, empresas e propriedades rurais (1.377,0 MW), 18,4% do total, aproximadamente.

Desde 2012, cerca de R$ 9,9 bilhões foram investidos em projetos fotovoltaicos de geração centralizada (GC) e geração distribuída (GD) no Estado, respectivamente, que geraram mais de 60 mil empregos. Do total de 853 municípios mineiros, mais de 99% têm GD de fonte fotovoltaica. Já a geração centralizada, que envolve grandes cargas e parques solares, está concentrada na região Norte.

Somente na geração centralizada, quando considerados também os projetos em implantação, o Estado também lidera o ranking solar no Brasil. Ao todo são mais de 11,9 GW de potência em desenvolvimento, correspondendo a 35% da potência outorgada para grandes usinas fotovoltaicas no país.

Empregos e recursos aplicados

“Apesar da crise, a energia solar crescerá 2.000% no Estado, primeiro a atingir 1 GW em potência instalada de geração distribuída, em maio, superando 1,3 GW até agora. Desde 2012, apenas esta modalidade gerou mais de 34 mil empregos e cerca de R$ 1,2 bilhão em tributos que os municípios aplicaram em saúde, educação, asfalto etc”, ressaltou o deputado Gil Pereira.

E completou: “Destacam-se usinas gigantes em implantação, como as de Janaúba, Jaíba, Pirapora e Francisco Sá. Com aportes, sobretudo no nosso Norte de Minas Gerais, mantivemos a liderança nacional, graças à eficácia da política de incentivo da Comissão das Energias Renováveis e dos Recursos Hídricos, que presido na Assembleia. Na geração centralizada, ao todo são mais de 11,9 GW de potência em desenvolvimento”, explicou o deputado Gil Pereira (PSD).

Economia na conta e matriz energética

“Orgulho em fazer parte dessa conquista! Resultado de um amplo trabalho que visa a Minas Gerais do futuro. Fruto de muito esforço, da luta que travei pela inovadora legislação mineira de incentivo ao setor, com leis de minha autoria, especialmente a Lei nº 22.549/17, primeira no país, que isenta do ICMS usinas até 5 MW, beneficiando sistemas de pequeno e médio portes (micro e minigeração)”, declarou Gil Pereira.

Destaca-se, ainda, sua incansável cobrança pela realização de leilões federais para implantação dos grandes parques e das usinas solares, além das necessárias linhas de transmissão de energia, que viabilizaram o salto da geração centralizada registrado na última década, no Norte de Minas.

“Minha luta para o avanço das fontes renováveis sempre teve estes objetivos: gerar empregos, renda, energia limpa, desenvolvimento sustentável, diversificação da matriz energética, diante da crise hídrica, além de garantir economia na conta de luz dos consumidores”, afirmou Gil Pereira.

 

Fonte: Assessoria Dep. Gil Pereira