No Assembleia Fiscaliza, nesta quinta-feira (09/12/21), em Belo Horizonte, os questionamentos dos parlamentares foram direcionados ao secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, e ao presidente da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), Reynaldo Passanezi, que prestaram contas sobre a gestão das suas instituições, respectivamente.

Coordenada pelo deputado Gil Pereira, que preside a Comissão das Energias Renováveis e dos Recursos Hídricos, a reunião conjunta teve participação também das comissões de Assuntos Municipais e Regionalização; Minas e Energia; Educação, Ciência e Tecnologia; e Extraordinária das Privatizações.

Ao ressaltar o quanto a questão hídrica e energética é estratégica para o Norte de Minas, o deputado Gil Pereira reivindicou que as 200 subestações da Cemig, previstas para execução até 2027, das quais 80 até o ano que vem, possam chegar antes à região.

“Conhecemos os projetos existentes, mas a área poderia estar mais avançada e solicitamos celeridade à Cemig na construção das subestações elétricas, pois lá na ponta está faltando a distribuição da energia. São estruturas condicionantes para viabilizar o escoamento da energia de tantas usinas solares instaladas e previstas na região”, explicou Gil Pereira.

Empregos e investimentos

Por outro lado, ele comemorou o anúncio que o Estado está recebendo mais de R$ 50 bilhões em energias renováveis, principalmente solar fotovoltaica na região Norte.

“Líder nacional, o Estado acelera e ultrapassa a inédita marca de 2 GW em operação da fonte solar, somando as grandes usinas centralizadas e os pequenos e médios sistemas de geração própria em telhados e áreas de residências, condomínios, empresas e propriedades rurais. Mais de 60 mil empregos, renda, energia limpa e desenvolvimento sustentável, além de economia no bolso dos consumidores”, informou o deputado Gil Pereira.

O setor já atraiu R$ 9,9 bilhões em projetos, grande parte deles no Norte de MG, onde se concentram mais de 11,9 GW ainda em desenvolvimento: 35% da potência outorgada para grandes usinas fotovoltaicas no país.

“Resultado da luta que travei pela inovadora legislação mineira de incentivo ao setor, como a Lei nº 22.549/17, de minha autoria, que isenta do ICMS a geração até 5 MW. Além da minha constante cobrança por leilões federais para contratação e implantação dos grandes parques solares e das necessárias linhas de transmissão e subestações de energia”, frisou Gil Pereira.

O secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, ressaltou o trabalho de Gil Pereira com a energia fotovoltaica: “Destaco aqui o protagonismo do nosso deputado, grande defensor desta causa”.

Poços energizados com placas solares

Em resposta a Gil Pereira, o presidente da Cemig Reynaldo Passanezi reforçou apoio à parceria com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que, por solicitação do deputado, comprometeu-se a criar um programa federal para equipar os mais de 03 mil poços artesianos já perfurados, no Norte de Minas e Vale do Jequitinhonha: “Poderemos, assim, levar água, qualidade de vida e sustentabilidade às comunidades isoladas, utilizando energia limpa”, destacou o parlamentar.

Também após indagação do deputado Gil Pereira, que enalteceu “o trabalho de todo o corpo técnico e dos diretores da Cemig”, o presidente Reynaldo Passanezi reafirmou também o compromisso de investimento em distribuição no Estado, convertendo 30 mil km de rede elétrica rural monofásica em trifásica, propiciando mais irrigação e produção, a partir da energia renovável gerada.

Reivindicações históricas

Antigas demandas da população norte-mineira para reforço ao abastecimento de água e ampliação da agricultura irrigada, a retomada e execução das obras do Projeto Jequitaí e dos reservatórios de Congonhas e Berizal foram solicitações apresentadas pelo parlamentar ao secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio. “Sofremos com a seca e esperamos ter água abundante pelas próximas décadas para o nosso desenvolvimento”, salientou Gil Pereira.

Também reivindicou que a pasta e a Gasmig agilizem estudos para a implantação de gasoduto ligando o município de Sete Lagoas (Região Central) a Montes Claros, onde há grande parque industrial em expansão, com implantação de fábricas como a Eurofarma. “Maior obra privada em curso no país (R$ 1,3 bilhão), está gerando 1.000 empregos nesta etapa da sua implantação e gerará 600 empregos quando iniciar a operação”, citou Gil Pereira.

 

Fonte: Assessoria Dep. Gil Pereira