O mineiro Fábio Ramalho, o Fabinho Ramalho, como é carinhosamente conhecido nos meios políticos de Brasília será novamente candidato à Presidência da Câmara dos Deputados e desta vez, pela sua análise, vai incomodar muito os candidatos que polarizam a disputa.

Arthur Lira, do PP de Alagoas, apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro e Baleia Rossi, do mesmo MDB de Ramalho, é da bancada paulista e é apoiado pelo atual presidente da Casa, Rodrigo Maia.

O que motivou Fabinho Ramalho a apresentar-se para a disputa foi o que ele enxerga como amplo descontentamento da maioria dos parlamentares, que não têm voz nas decisões do parlamento.

Deputado Federal desde 2007, tendo sido na atual legislatura, no biênio 2017/2018, eleito o 1º. Vice-Presidente da Câmara, Fabinho foi posteriormente derrotado na disputa que travou com Rodrigo Maia em 2019 pelo cargo de presidente, que agora volta a disputar.

Apesar da grande diferença naquele certame em favor de Rodrigo, ele não se intimidou e pretende lutar pela presidência com a mesma bandeira: a falta de representatividade e de reconhecimento dos deputados do baixo clero nas decisões do legislativo.

O MDB não se vê confortável com uma divisão dentro da própria bancada; por mais que externe confiança na eleição de Baleia Rossi, a popularidade de Fabinho Ramalho gera incertezas. É esperar para ver.