O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), em sua live desta quinta-feira (15), usou a maior parte da transmissão para desvencilhar seu nome do senador flagrado pela Polícia Federal com R$17,9 mil entre as nádegas.

“Alguns querem dizer que o caso em Roraima tem a ver com meu governo porque ele é meu vice-líder. Tenho 18 vice-líderes no Congresso; 15 na Câmara, que foram indicados pelos líderes partidários e três no Senado, que é de comum acordo. Esse senador desse caso em Roraima gozava do prestígio e carinho de quase todos. Nunca vi ninguém falar nada contra ele. Aconteceu esse caso? Lamento”, disse o presidente.

Bolsonaro voltou a afirmar que não existe corrupção em seu governo, mas restringiu o governo a apenas ministros de Estado, presidentes de estatais e bancos públicos e disse lamentar trabalhar "que nem um desgraçado" e "idiotas" o acusarem de corrupção.

Caso o senador Chico Rodrigues decida se afastar, quem assume é seu filho e também suplente, Pedro Arthur Ferreira Rodrigues.

Aliados de Davi Alcolumbre (DEM-AP) indicaram ao senador se afastar, pois a medida evitaria maiores problemas no Parlamento.