A mineradora Vale foi condenada pelo TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 3ª Região a pagar R$ 1 milhão por danos morais por cada trabalhador morto no rompimento da Barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), em 2019.

De acordo com a decisão da Justiça do Trabalho, a quantia será destinada a espólios e herdeiros das vítimas. É a primeira vez em que a própria vítima morta na tragédia teve seu dano reconhecido, por ter sua vida abreviada. 

O Sindicato Metabase Brumadinho que moveu a ação pediu R$ 3 milhões por cada funcionário que faleceu, alegando que os pagamentos de indenizações já feitos foram destinados ao reparo de danos morais sofrido pelos familiares das vítimas e não aos trabalhadores que tiveram suas vidas abreviadas. 

“Julgo PROCEDENTE o pedido para condenar a Requerida a pagar indenização por danos morais no importe de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) por vítima fatal, aos espólios/herdeiros dos empregados substituídos para reparação do dano-morte experimentado em decorrência do rompimento da barragem em Brumadinho” determinou Vivianne Celia Ferreira Ramos Correa, juíza titular da 5ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), de Betim. 

A tragédia do rompimento da barragem de Brumadinho ocasionou a morte de 270 pessoas, sendo 137 funcionários diretos da mineradora, segundo os autores do processo.