Não se sabe em razão de quê, mas a vacinação em Minas Gerais não segue os mesmos critérios para sua oferta à população do conjunto das cidades do Estado. A capital Belo Horizonte vai vacinar a partir dessa quarta feira, 07, seus habitantes com mais de 65 anos e profissionais da saúde com 50 anos completos. Na região das Vertentes, outro exemplo, composta de cidades que vivem economicamente de uma grande dependência das atividades de serviços, com ênfase para a culinária e a hotelaria, portanto de evidente contato físico, a vacinação foi paralisada nas pessoas com 69 anos, desde a última quinta-feira, 01. A Secretaria da cidade de Tiradentes alega que ainda não recebeu doses da vacina para seguir seu calendário, muito embora a cidade sofra com a total interrupção de todas as suas atividades, inclusive quase todo o seu comércio. Com o perigo de contaminação e a grande escassez de recursos públicos de saúde que pressionam a cidade, está na vacinação um dos únicos recursos hoje disponíveis para se conter a expansão da doença. Ontem, 05 de Abril, mais 3 casos foram notificados na cidade e mais 6 pessoas testaram positivo. No quadro das 319 contaminações registradas em Tiradentes, desde o início da pandemia,  69 pessoas estão no grupo com mais de 60 anos de idade.

A Prefeitura vinha oferecendo um trabalho organizado e satisfatório até na semana passada, mas faltam vacinas. Se não for por outro motivo, peca a Secretaria de Estado da Saúde na logística de distribuição das doses. Ou será porque em BH o prefeito Kalil grita mais alto em favor da população da capital?