A Polícia Civil compareceu, hoje (9), a fábrica da Backer, produtora da cerveja Belorizontina, localizada no bairro Olhos D’Água em Belo Horizonte (MG), para apurar relação com a doença misteriosa que tem assustado moradores de todo o Estado. Até o momento, segundo a Secretaria de Saúde de Minas Gerais, já são oito vítimas da nova síndrome que causa insuficiência renal grave e problemas neurológicos. Dentre as vítimas, uma veio a óbito nesta terça-feira (7).

Em laudo, realizado por especialistas, também emitido hoje (9) pela Polícia Civil, indica a presença da substância dietilenoglicol em duas cervejas Belorizontina encontradas na casa de uma das vítimas. Foram identificadas, por meio de exames, a presença da substância nas cervejas pertencentes aos lotes L1 1348 e L2 1348.

O dietilenoglicol é um composto orgânico, anticongelante, muito utilizado nas indústrias cervejeiras para resfriar as serpentinas que, por sua vez, resfriam as cervejas. Porém sua ingestão pode causar sintomas como insuficiência renal e hepática.

Até o fechamento da matéria, a Cervejaria Backer não se pronunciou a respeito do laudo.

 

Entenda o caso

Uma doença misteriosa foi apresentada por oito pacientes no Estado. A síndrome  causa dores abdominal, náusea e vômitos no primeiro momento e rapidamente evolui para problemas neurológicos e insuficiência renal. Uma das vítimas faleceu nesta terça-feira (7) e sete permanecem internadas.

Paschoal Dermatini Filho, de 55 anos, morreu em Juiz de Fora, na Zona da Mata, em Minas Gerais, após apresentar sintomas oriundos da doença misteriosa. Segunda a família, a vítima começou a sentir-se mal alguns dias depois de comparecer a um churrasco familiar realizado pela filha, no bairro Buritis, em Belo Horizonte. Durante o evento, todos os presentes consumiram cervejas e diversos outros produtos comprados em dois supermercados da região. No entanto, apenas dois membros da família, apresentaram os sintomas: Paschoal e o genro Luiz Felippe Teles Ribeiro, que ainda está internado na capital.

O Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs-Minas) permanece realizando investigações em vários estabelecimentos comerciais e casas do bairro Buritis, para definir as causas da doença. Já que todos os pacientes passaram pela região nas semanas antecessoras ao aparecimento dos sintomas.

Segundo nota divulgada pelo Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais, todos os profissionais da saúde precisam ficar atentos a quadros clínicos de sintomas semelhantes ao da doença. Os casos devem ser imediatamente notificados, seguindo as orientações do Cievs-Minas.

 

Imagem: Google