O Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Minas Gerais, o Sindtaque, afirmou no dia de ontem 26 de fevereiro de 2021, que a categoria somente vai retomar as atividades se o seu pleito de redução da alíquota do ICMS, que hoje é de 15% sobre o diesel, for para 12%.

Assim, a paralização, que pode rapidamente causar um desabastecimento gigantesco, não cessará antes que a redução de 3% no ICMS ocorra.

Com a adesão total à greve, os transportadores de combustíveis não vão se movimentar enquanto o governo do estado não se manifestar, favoravelmente, àquela redução do imposto.

O Governo do Estado tem se posicionado de forma a não considerar que os aumentos dos combustíveis, em especial os do diesel, tenham sofrido influência do ICMS e sim dos aumentos na Petrobrás.

O compromisso que o Governo do Estado tem assumido é o de não aumentar os impostos, até que se possa rever a carga tributária como um todo.

Desta forma, o impasse permanece, os postos estão ficando desabastecidos e logo uma reação em cadeia poderá trazer sérios prejuízos para todos os seguimentos da sociedade mineira.