Governo de Minas Gerais oficializou a entrega do Complexo Pampulha para o Corpo de Bombeiros Militar (CBMMG), na manhã desta quarta-feira (22/6), em Belo Horizonte. 

Situado ao lado do Aeroporto da Pampulha, o espaço de mais de 153 mil m² ficará em definitivo com a corporação, que já o vinha utilizando de maneira provisória desde 2019 para abrigar a Academia de Bombeiros Militar (ABM), o Comando Especializado de Bombeiros (CEB), o Batalhão de Emergências Ambientais e Resposta a Desastres (Bemad), além da Fundação Salvar e o Pelotão Acadêmico.

 

O governador Romeu Zema elogiou as instalações e o potencial para uso a longo prazo pelos militares. “É um equipamento que servirá por muitos anos, tamanha a área, o espaço para novas edificações, de melhorias e obras complementares", afirmou Romeu Zema, após descerrar a placa e entregar o termo de posse definitiva da ABM ao comando do CBMMG.

Com uma área equivalente a cerca de 15 campos de futebol, a instalação conta com auditórios, estande de tiro, piscinas, campo de futebol, prédio de alojamentos e salas de aula e permitirá a realização de formaturas de pátio, seguindo tradição e honrarias da instituição para capacitar os militares. 

A propriedade foi adquirida por R$ 130 milhões junto à Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), com recursos que advêm do acordo com a Vale como compensação pela tragédia em Brumadinho -  em que 272 pessoas perderam a vida. O governador homenageou as vítimas do desastre e enalteceu o trabalho dos 4,2 mil bombeiros que atuaram e  continuam atuando na região há quase 3 anos e meio. 


“É muito mais do que merecido porque nenhuma outra instituição se mobilizou tanto desde a tragédia quanto o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais. E esse é um dos avanços que estamos fazendo com relação à melhoria de equipamentos públicos para melhorar a vida do mineiro”, disse, se referindo também a investimentos em segurança, tanto na Polícia Militar quanto na Polícia Civil

O governador acrescentou ainda as obras de infraestrutura em estradas e saneamento básico, fora os incrementos na saúde, que estão sendo feitos. “Estamos agilizando essa reparação, diferentemente do acordo de Mariana, que foi judicializado e ainda não trouxe retorno para a população. E questiono se justiça feita depois de 20, 30 anos é feita de forma adequada porque uma geração ou mais das pessoas afetadas já terá se passado”, complementou Zema. 

O governo já soma mais de R$ 226 milhões em melhorias estruturais na corporação desde 2019, elevando a presença do Corpo de Bombeiros de 73 a até 89 municípios, conforme previsão até o final do ano.

Ações   

De acordo com o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, coronel Edgard Estevo da Silva, a maior expectativa com o novo espaço é a facilitação de locomoção das aeronaves para atendimentos a grandes incidentes em Minas, e em missões de apoio a outros estados, como ocorreu este ano com Bahia, Rio de Janeiro (Petrópolis) e Pernambuco. 

“Estamos planejando um Corpo de Bombeiros mais forte e que terá uma condição de referência e certificação internacional, e esse espaço será estratégico, inclusive para logística correta e o rápido deslocamento em razão do aeroporto adjacente. Este é o Corpo de Bombeiros que Minas Gerais merece e terá. Esta estrutura está destinada a prover a melhor proteção pública e também estão sendo implementados projetos sociais importantes”, acrescentou o coronel.

 

Lá serão realizadas iniciativas de apoio direto à comunidade, como o programa Bombeiros nas Escolas, que promove a conscientização sobre os procedimentos a serem adotados diante de acidentes domésticos, incêndios e afogamentos, curso de formação para instrutores de guarda civil e instrutores de brigada, e cursos de prevenção a desastres com comunidades de áreas de risco, por meio das ações do Núcleos de Defesa Civil (Nudec) e Núcleos de Alerta de Chuva (NAC).


Academia

A ABM,  que passa a ter uma sede permanente, tem hoje cerca de 300 militares em formação, considerando alunos, sargentos e cadetes. Além disso, oferece treinamentos, presenciais e à distância, para quase 6 mil militares em todo o estado. Em novembro deste ano, mais 159 militares concluirão o Curso de Formação de Soldados. 

O acordo judicial visa reparar os danos decorrentes do rompimento das barragens da Vale S.A, que tirou 272 vidas e gerou uma série de impactos sociais, ambientais e econômicos na bacia do Rio Paraopeba e em todo o Estado de Minas Gerais.

 

 

 

Fonte: Agência Minas