Centenas de empreendedores de Minas Gerais, mesmo diante do quadro pandêmico de Covid-19, onde governos estaduais e municipais insistem em decretar o fechamento de atividades comerciais, as quais consideram como “não essenciais”, gerando milhares de desempregados, partem para a abertura de novos negócios.

Dados estatísticos do Sebrae Minas dão conta de que quase 20% de novos negócios surgiram no mês de janeiro deste ano, em comparação com o mesmo mês do ano passado.

Muitos dos empreendedores, que hoje figuram nesse quadro, tinham seus projetos engavetados no início da pandemia em março de 2020, mas agora reacenderam a chama do propósito de investir em suas empresas e fazê-las deslanchar.

2021 é um ano de promessas para essas mentes determinadas.

Alguns fatores importantes culminaram em novas oportunidades e dentre eles estão acordos de demissão voluntária, demissões sem justa causa e acordos com empregadores, mediante o encerramento forçado de suas atividades.

Essas condições colocaram fora do mercado convencional de trabalho muitos profissionais com grande potencial empreendedor.

Crise é momento de investir com risco calculado.

Foi assim, que os empreendedores de Minas Gerais lograram êxito em seus novos negócios e, satisfeitos, vislumbram horizontes favoráveis para suas recompensas.

Desta forma, o estado consegue ainda manter um certo equilíbrio em suas receitas e economia, pela reinserção de desempregados, com qualificação profissional, em um mercado de trabalho inovador em tempos de crise.