Uma das últimas obras de Giuseppe Verdi, “Quatro peças sacras”, apresenta mais que uma magnífica melodia. Por trás das notas, um universo de curiosidades que revela grandes momentos históricos e personalidades. O concerto executado pela Orquestra Sinfônica Heliópolis, com regência do maestro Isaac Karabtchevsky, é exibido na íntegra, pela primeira vez, no programa Harmonia, da Rede Minas, neste domingo (17).

“Quatro peças sacras” traz as composições “Ave Maria”, “Stabat Mater”, “Laudi alla Vergine Maria” e “Te Deum”. A primeira, que tem o nome da mãe de Cristo, mostra em sua poesia musical e religiosa uma escala enigmática criada por Adolfo Crescentini. Esse compositor lançou, em 1888, na "Gazetta Musicale di Milano", um desafio para compositores criarem a harmonização de uma sequência de tons e notas. Verdi assumiu a disputa e o resultado foi essa obra genial.

O “Stabat Mater” também tem, em sua origem, um conteúdo recheado de melodias e singularidades. Embora não se saiba a origem do texto, ele foi atribuído a São Boaventura ou a Jacopone de Tobi, entre os séculos XI e XII. Em 1570, a letra utilizada em cultos foi proibida pelo Concílio de Trento e só retornou às igrejas em 1727. Depois de mais de 150 anos, o rito religioso ganha sonoridade com a composição de Verdi.

“Quatro peças sacras” ainda apresenta mais curiosidades. Verdi usou os versos do maior poeta italiano, Dante Alighieri, em “Laudi alla Vergine Maria”. O hino cristão “Te Deum” foi atribuído a diversos santos e ganhou a sonoridade através de grandes compositores da história, de Mozart a Verdi.

Apresentado pelo jornalista Clóvis Ribeiro, o Harmonia com o concerto “Quatro peças sacras”, de Giuseppe Verdi, vai ao ar no próximo domingo (17/05), às 14h, pela Rede Minas. O programa também pode ser visto, no mesmo horário, no site da emissora: redeminas.tv.