Desde a última sexta-feira, 08 de Janeiro, que na CEMIG a luz está acesa. Sindicâncias internas motivadas pelo MPMG e pelo Tribunal de Contas MG já geraram o afastamento de superintendentes, gerentes e chefes de departamentos responsáveis pela compra de bens e serviços para uso da concessionária estatal. Notícias vazadas dessa ação dizem ter a mesma uma preocupação com a moralização das relações da CEMIG com o mercado, pelo que já se operaram nessa segunda-feira demissões de vários empregados, afastamentos temporários também de outros, abertura de inquéritos administrativos e apreensão de celulares e notebooks corporativos. Tais medidas miram ocupantes de cargos e fornecedores de alta patente na estatal. Já se fala nos corredores em delação premiada de alguns envolvidos para facilitação das investigações, cujos limites ninguém poderá ainda prever. Não se sabe porque alguns empreiteiros estiveram reunidos ontem, domingo à noite, possivelmente calculando a extensão dos estragos que poderão acontecer por esses dias. A CEMIG sempre foi uma referência de empresa estatal em Minas e no Brasil. Uma pena que agora esteja passando por esses caminhos. Aliás, desde a operação de compra e depois de permuta de ações da estatal mineira por sua participação na LIGHT que muita coisa deveria ser investigada. Infelizmente isso nunca aconteceu.