A endometriose é uma das principais causas de infertilidade no sexo feminino no mundo, afetando cerca de 200 milhões de pessoas, segundo as organizações mundiais de endometriose. De acordo com o Ministério da Saúde, uma em cada 10 brasileiras tem a doença. Por isso, o mês de março é dedicado à conscientização mundial da endometriose.

“Cerca de 50% a 60% das pacientes com endometriose podem desenvolver a infertilidade”, alerta a especialista em reprodução assistida, Cláudia Navarro. Isso significa que apenas uma parcela dessas mulheres não será infértil. “Algumas têm o problema, mas não apresentam dificuldade para engravidar”, diz a especialista.

O que é?

A endometriose é uma doença que se caracteriza pela presença do endométrio - camada que reveste o interior do útero – fora dele, podendo acometer vários órgãos, entre eles a bexiga, os ovários e o intestino. Além disso, é comum em mulheres em idade fértil, diagnosticada principalmente na faixa etária dos 20 aos 30 anos.

Sintomas

O sintoma mais comum é a cólica forte e prolongada, muitas vezes interpretada como um sinal comum da menstruação. “Por isso, pouca gente decide investigá-la. Em alguns casos, ela pode vir acompanhada de dor durante a relação sexual ou na hora de evacuar. Porém, nem sempre há sintomas e muitas mulheres só descobrem a endometriose quando começam a investigar a infertilidade”, pontua a especialista.

Cláudia esclarece, porém, que o grau da dor nem sempre está relacionado à gravidade da doença. “Podemos ter pacientes totalmente assintomáticas com lesões severas e pacientes com sintomas muito fortes e uma endometriose leve”, explica.  As dores, segundo a médica, e a dificuldade para engravidar são os principais sintomas que levam as mulheres a investigarem o problema.

Diagnóstico e tratamento

Exames de ultrassonografia ou ressonância magnética podem sugerir fortemente a presença de endometriose. Isso ajuda o médico a programar uma conduta individualizada. Segundo a especialista, os tratamentos para a endometriose podem ser divididos em cirúrgicos ou medicamentosos:

  • Entre os tratamentos medicamentosos, o mais utilizado é o uso da pílula anticoncepcional, principalmente de forma contínua;
  • As injeções de hormônio também podem ser utilizadas, mas, o mais importante, atualmente, é a individualização do tratamento;

·         Anti-inflamatórios e analgésicos podem ser administrados, porém, eles apenas aliviam os sintomas, e não tratam a doença em si;

·         Já o tratamento cirúrgico irá depender, principalmente, da forma de apresentação da doença e dos sintomas da paciente.

Desejo de ser mãe

Segundo Cláudia Navarro, o tratamento da endometriose precisa levar em consideração o desejo da mulher em ser mãe. “Se a gravidez estiver no planejamento do casal, precisamos saber se é um desejo imediato”, pondera. “É importante considerar se não há interferência de fatores externos como, por exemplo, um resultado alterado no espermograma do parceiro”, diz.

“Caso a paciente esteja enfrentando dificuldade para engravidar, a melhor proposta é utilizar um dos tratamentos disponíveis para infertilidade”, orienta Cláudia. As mulheres que planejam uma maternidade futura devem ser acompanhadas por especialista para evitar a progressão ou piora da doença.

“O importante é sempre procurar ajuda especializada, e não esquecer que cada paciente deve ser avaliada individualmente. O melhor tratamento para uma paciente pode não ser eficaz para outra”, explica.

Sobre Cláudia Navarro

Cláudia Navarro é especialista em reprodução assistida e diretora clínica da Life Search. Graduada em Medicina pela UFMG em 1988, Cláudia titulou-se mestre e doutora em medicina (obstetrícia e ginecologia) pela instituição federal. Atualmente, atua na área de reprodução humana, trabalhando principalmente os seguintes temas: infertilidade, reprodução assistida, endocrinologia ginecológica, doação e congelamento de gametas.  

Fonte: Agência Brasil
Imagem: Google Imagens