Não podemos viver mais sem energia. Tudo que utilizamos hoje necessita de energia. O que aconteceu no estado do Amapá, em novembro de 2020, apenas reforça que precisamos de alternativas com a energia elétrica. A falta de energia impactou diversos setores, como hospitais, bancos, serviços de internet e telefonia, entre muitos outros. Apenas em 2020, tivemos 37 interrupções de transmissão de energia, de acordo com Operador Nacional do Sistema (ONS).

Para isso, o investimento em energias renováveis é uma solução em potencial. Segundo o Relatório da Situação Global das Renováveis de 2019, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o investimento global em energia verde ultrapassou US$ 2,6 trilhões na última década. Foram mais gigawatts de capacidade de energia solar instalados do que qualquer outra tecnologia de geração energética.

Um número bastante animador, já que a energia solar fotovoltaica reduz gastos e valoriza questões relacionadas à sustentabilidade. O Brasil, embora ainda não faça parte dos países que mais investem em energias renováveis, tem apresentado números exponenciais de crescimento. Segundo a Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar), o país está em 16º no ranking de capacidade instalada global. A projeção da Bloomberg New Energy Finance (BNEF), até 2050 o Brasil terá 32% da sua matriz energética da fonte solar fotovoltaica sendo que 15% do total será da geração nos telhados das casas, comércios, setor agro e indústrias.

Desse modo, podemos perceber que o mercado de energia solar está em ascensão por aqui. A SolarVolt Energia, empresa em que sou sócio, é exemplo disso. Desenvolvemos a maior fachada com painéis solares do mundo, localizada em Anápolis (GO). O prédio da CAOA, agora conta com uma área de 850 metros quadrados de filmes fotovoltaicos orgânicos da solução Sunew GLASS™. Sendo que toda energia mensal gerada é suficiente para abastecer todas as estações de trabalho do prédio.

Contamos também com o projeto na fazenda de leite e café, Curral de Minas, em Oliveira/MG, que só reforça os benefícios do uso de energia solar no campo. Outro setor fortemente beneficiado pelo uso da energia solar. De acordo com a Absolar, o setor rural representa 13% na capacidade instalada da modalidade no país

Dá para ver que estamos vivendo um bom momento com grandes e positivas expectativas para o setor de energia solar fotovoltaica. O uso de uma energia limpa e mais econômica é a tendência do agora que tende a ser permanente no futuro.

Sobre Gabriel Guimarães 

Gabriel Guimarães diretor da empresa SolarVolt Energia, uma empresa brasileira especializada no desenvolvimento de soluções e projetos completos de energia solar fotovoltaica. Com sedes nos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro, a SolarVolt já instalou mais de 50.000 kilowatts-pico (kWp) de sistemas fotovoltaicos conectados à rede, em 10 estados do país, sendo mais de 1200 projetos vendidos. Está presente em mais de 160 cidades, sendo a maior parte dos negócios em Minas. Ela faz parte do G5 Solar e é uma das 14 empresas fundadoras da ABGD – Associação Brasileira de Geração Distribuída. 

 

 

Fonte: Paula Albani - Hipertexto Web