Os filmes estão associados, para muitos, às grandes produções ‘hollywoodianas’ e aos cenários europeus. Entretanto, há décadas cineastas avançaram continentes e retrataram a realidade de outros povos. É o movimento conhecido por cinema etnográfico. O Cinematógrafo, da Rede Minas, vai falar sobre esses filmes que buscam o documental até mesmo na ficção e valorizam outras culturas.

No episódio desta sexta (10), o pesquisador e artista Fábio Rodrigues resgata a história desse tipo de movimento, também chamado de “cinema verdade”, e um dos seus precursores, o diretor francês Jean Rouch. No quadro Drops, o jornalista e apresentador Fernando Tibúrcio levanta uma polêmica histórica entre o cineasta Rouch e o senegalês Ousmane Sembène, que assinou “Borom Sarret”, ganhador do Tours International Festival, em 1963. O público vai conhecer mais sobre a visão diversa que os dois tinham da África retratada pelo cinema.

As trilhas sonoras são outro destaque nesse episódio. Quem traz a dica é o jornalista Terence Machado, que comanda o programa Alto-Falante, também da Rede Minas. Na atração, as músicas de sucesso apresentadas em “Forrest Gump – o contador de histórias” e que tornaram o enredo ainda mais fascinante. O cinema nacional também marca presença. O jornalista e documentarista Leandro Lopes fala sobre um dos clássicos brasileiros, “Deus e o diabo na terra do sol”, de Glauber Rocha.

Apresentado direto de uma sala de cinema pelo jornalista Fernando Tibúrcio, o Cinematógrafo vai ao ar nesta sexta (10), às 20h30, pela Rede Minas. O público pode acompanhar o programa, também, pela Internet, no site da emissortea: redeminas.tv.

SERVIÇO:
Cinematógrafo
Sexta, dia 10/01, às 20h30

Fonte: Rede Minas