Mostrando um gostinho do seu próximo  álbum, O Cerne conclui com o lançamento do  EP o primeiro ciclo de sua nova fase artística.

‘interferências//desviver’ é o mais recente  grande lançamento da banda desde seu  primeiro álbum, ‘Escombros’, em 2019, ‘e apresenta a inédita ‘geleinha’  e ainda contém os últimos três singles da banda  ‘Nem Sei (nanana)’, ‘Proposta Adversa’ e ‘Mg’.

‘geleinha’ traz as interferências causadas pelo  ‘estrago’, conceito trabalhado na fase atual  da banda que simboliza a escalada crescente  de deterioração das relações humanas no  mundo, seja entre si ou com a natureza. Os  impactos dele no cotidiano, na natureza e no  viver geram reflexos no campo interpessoal,  motivando sentimentos e mudanças. 

A música fala sobre a busca por novas  perspectivas e ao mesmo tempo a fuga  dos sintomas do presente, representados  também por efeitos e modulações ao longo  da música. As três partes da peça mostram o  processo de aceitação do movimento, desde  o surgimento dessa nova perspectiva, o seu  desenvolvimento verbal e enfim a aceitação.

Ficha técnica - geleinha

Diogo Pozzato - Bateria

Gustavo Glaser - Guitarra

Jo Myrrha - Baixo

Melchior Melo - Guitarra, voz e violão

Produção musical - Melchior Melo e O Cerne

Música por O Cerne

Letra por Melchior Melo

Gravado por Melchior Melo

Mixado e masterizado por Melchior Melo e O Cerne

‘Estrago’ refere-se aos tempos atuais e seus  acontecimentos cada vez mais violentos, opressivos e  destrutivos. Com abalos políticos e econômicos, e as  consequências na esfera ecológica e social sentidas no  cotidiano, cada pessoa é afetada de modo específico.  Buscamos por meio desse EP e nosso futuro álbum  retratar subjetivamente nossas inquietações com o ‘estrago’. 

Num momento de nossas vidas em que queríamos  cada vez mais nos afirmar como sujeitos sensitivos  no mundo, 2020 veio confirmar esta necessidade e  ainda contribuiu para a urgência sobre pensamentos  insurgentes. Tinhamos planejado para este ano o lançamento  do nosso álbum, mas a pandemia, exemplar claro do  ‘estrago’, foi um obstáculo a ser considerado. Decidimos,  então, por reinventar a forma de se expor nossotrabalho atual.

Vivemos épocas carregadas de esperanças  e cicatrizes. Já deixamos nosso passado  ir, trazemos hoje a dimensão do presente.

Ficha técnica - EP interferências//desviver

O Cerne:

Diogo Pozzato - Bateria e backings em ‘Mg’

Gustavo Glaser - Guitarra, voz e backings

Jo Myrrha - Baixo, synth bass e backing em ‘Mg’

Melchior Melo - Guitarra, voz, backings e violão

Músicas gravadas de forma independente por 

Melchior Melo no interior de Minas Gerais em julho 

de 2019 e fevereiro de 2020, com finalizações em 

agosto de 2020 em Belo Horizonte.

Produção musical - Melchior Melo e O Cerne

Produção artística - O Cerne, Gustavo Glaser e Nina 

Machado

Músicas por O Cerne

Mixado e masterizado por Melchior Melo e O Cerne

Capa por Gustavo Glaser

Lançamento ‘Melado’

De produção totalmente independente, O  Cerne busca incorporar suas referências em  suas criações de um modo maduro, coerente  e autêntico. Tem como referências musicais bandas do Indie, do Rock Alternativo e do Psicodélico, sendo as principais influências contemporâneas Boogarins, Arctic Monkeys, Radiohead, Ava Rocha, O Terno e Mac Demarco. Músicos e artistas  mais antigos também, como Clube da Esquina, Lenine, Os Mutantes e The Beatles.

Agora, em sua atual fase artística e preparando  o seu novo álbum, a banda acumulou  muitas vivências pessoais e no ramo da  música ao longo dos últimos dois anos.  Suas novas canções dialogam com tudo que vem acontecendo no Brasil e no mundo, creditando isso a uma herança das décadas passadas. O quarteto busca mostrar o que é verdadeiro em cada um, o que é de mais interno em essência e então como isso é somado e transformado em “matéria” externa, no resultado artístico final.

O Cerne anseia pela retomada segura dos  shows para apresentar agora seu novo trabalho  ao vivo nas casas de show de Belo Horizonte e  levar sua música para mais cidades, como foi o  caso de Montes Claros e Juiz de Fora em 2019.  Além disso, aos poucos já planeja os próximos  passos de outras produções e composições.

 

Fonte:O Cerne