Sem nenhuma justificativa plausível e concebível, a Petrobrás promove novos aumentos de preços dos combustíveis, travando 8,8% na gasolina e mais 5,5% no diesel, ambos nas refinarias, o que vai refletir imediatamente nas bombas dos postos de combustíveis.

Mais uma vez, os usuários sofrerão em seus bolsos na hora de abastecer seus veículos, em especial a classe de caminhoneiros, a qual já vinha amargando prejuízos enormes com os primeiros 5 aumentos deste ano.

Os referidos reajustes, anunciados na data de hoje, 08 de março de 2021, passam a valer a partir de amanhã, terça-feira, dia 09 de março.

Já é o 6º reajuste de preços somente neste ano.

Por mais que se argumente que os reajustes estão baseados na variação que ocorre no mercado internacional, há que se considerar que o país está passando por uma situação bastante desfavorável a qualquer aumento de preços, seja de que ordem for.

Ademais, a necessidade de recompor o seu caixa, já bastante espoliado ao longo dos últimos 16 anos, só encontra essa forma de capitalizar e voltar a dar resultados.

Salienta-se, mais uma vez, que tais aumentos consecutivos, sem pares, ocorrem justamente em meio aos trâmites para substituição de seu CEO, Roberto Castelo Branco, pelo General Joaquim Luna, indicação do Presidente Bolsonaro, que se acha bastante insatisfeito com a atual política de reajustes de preços adotada pela Companhia.