O Novo CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, tem demonstrado ser uma importante ferramenta de gestão do mercado de trabalho brasileiro e tem se mostrado bastante eficiente em compilar os dados de empregos gerados pela nossa economia e, também, o número de desempregos que vem sendo causados por todas as situações de crise que o país tem enfrentado nos últimos anos e, agora, amargando com as consequências graves da pandemia de Covid-19.

Segue a íntegra de sua razão de ser e de seu propósito, oriunda do Site do Governo Federal, da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho: 

“O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) foi criado como registro permanente de admissões e dispensa de empregados, sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). É utilizado pelo Programa de Seguro-Desemprego, para conferir os dados referentes aos vínculos trabalhistas, além de outros programas sociais.

Este Cadastro serve, ainda, como base para a elaboração de estudos, pesquisas, projetos e programas ligados ao mercado de trabalho, ao mesmo tempo em que subsidia a tomada de decisões para ações governamentais.”

Assim, todos os dados oficiais sobre o número de empregos gerados ao longo do tempo, bem como de desempregos, poderão ser consultados por todos os cidadãos brasileiros, com segurança e qualquer momento.

Todavia, recomenda-se cuidado ao acessar o site, uma vez que ele vem sendo assediado por vários hackers, bem como têm sido criados falsos sites com semelhança ao oficial de governo, por motivos escusos.

Uma atualização importante de dados, foi feita pelo próprio Ministro da Economia, Paulo Guedes, em coletiva on-line no último dia 23/12, momento em que ele informa que, no último mês de Novembro deste ano, o país gerou 414.556 novos empregos formais e com registro em carteira de trabalho.

Dados estatísticos oficiais sobre esse movimento importante da economia brasileira, pode ser verificado pela população, via site do Ministério da Economia, na publicação “Estatísticas Mensais do Emprego Formal - Novo Caged”.

 

 

Fonte: Governo Federal/Ministério da Economia