O estado de Minas Gerais encerrou o mês de fevereiro de 2022 com 36.677 novos postos de empregos formais, segundo levantamento do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), feito pelo Ministério do Trabalho e Previdência. De acordo com o economista chefe da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio MG), Guilherme Almeida, esse resultado, de forma geral, é um indício de recuperação do mercado de trabalho. “Comparado a períodos anteriores, percebemos que os impactos negativos da pandemia, apesar de ainda presentes, vem surtindo menor peso nos setores econômicos. Isso possibilita a retomada da atividade econômica e, consequentemente, do emprego”.

Entre os setores econômicos, as maiores contribuições podem ser observadas nos serviços (21.922), indústria (6.930) e agropecuária (4.012). Construção e comércio, por sua vez, foram responsáveis pela geração de 3.087 e 726 postos de trabalho, respectivamente. Já o comércio varejista foi mais impactado negativamente, onde encerrou 1.165 postos de trabalho. Em contrapartida, os números mostram que o comércio atacadista gerou 888 vagas de emprego, enquanto o segmento de reparação de veículos automotores e motocicletas abriu 1.003 novos postos de trabalho.

“O varejo apresentou resultados ruins devido ao agravamento da pandemia no início do ano, em decorrência da variante Ômicron, e da deterioração dos indicadores macroeconômicos, como a alta da inflação e juros”, analisa o economista chefe da Federação. No segundo mês do ano, as demissões superaram as admissões, fazendo com que 1.165 postos de trabalho formais fossem encerrados.

Clique aqui e confira os dados completos, por período, setor e municípios de Minas Gerais

 

 

Fonte: Fecomércio MG