Enfim, a Igreja Católica Romana começa a rever o paradigma concernente ao celibato. Homens casados, preferencialmente indígenas, poderão, em breve, tornar-se padres. O Papa Chico entrou com sutileza nessa seara, cuja polêmica divide a milenar instituição religiosa. O concílio entrará no vespeiro em reunião programada para o segundo semestre, cujo foco será a Amazônia. Para quem não sabe, sem o viés proibitivo, em alguns países o casamento legal ocorre sem a menor interferência do Vaticano. O Líbano é um deles. Aliás, até uns poucos séculos atrás o matrimônio de representantes da Igreja era legítimo e assentido pela Santa Sé. Houve uma reversão no comportamento dos religiosos, a partir da constatação de que as esposas geralmente partilhavam do patrimônio do marido, após a sua morte, o que reduzia o quinhão da Igreja.