A Polícia Militar de MG já começa a enfrentar problemas por conta de seus belos soldos, dentre os melhores do país. Uma meninada com diploma de curso superior ingressa na corporação atrás dos bons salários e respectivos penduricalhos (hospital especial, justiça especial, aposentadoria especial) em promissora carreira. O inicial de um profissional liberal (engenheiro, professor, biólogo, etc) dificilmente supera dois salários mínimos. E olhe lá! Se fardado, ele começa com cinco vezes mais. Daí que deixou de ser exceção o fato de um sargento indagar ao soldado raso qual a sua formação e este, de imediato, responder, por exemplo, engenheiro.