O secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou, na última quarta-feira (14), que a vacinação contra a Covid-19 será anual, assim como acontece com o vírus da gripe, revelou o UOL. A declaração foi dada no Instituto Butantan durante a entrega de 800 mil doses da Coronavac ao Ministério da Saúde (MS).

“Entendemos que o coronavírus veio para ficar assim como em 2009 o H1N1, vírus da gripe, veio e ficou”, afirmou Gorinchteyn. Ele reforçou que a vacinação anual é a única forma de manter a proteção da população e evitar novas epidemias.

“Por se tratar de um vírus respiratório, um vírus que vai ser mantido endêmico na nossa comunidade, para que nós não tenhamos riscos de novas epidemias, a vacinação é a única forma de mantermos a proteção e a imunologia das pessoas elevadas”, completou.

No evento do Butantan, o governador João Doria também afirmou que vê a necessidade de iniciar a vacinação anual contra a Covid-19 já a partir de janeiro de 2022 em São Paulo, segundo apurou o G1.

“Conforme aprendi com os infectologistas, a partir de agora, todos os anos devemos nos vacinar também contra a Covid-19. Assim como nos vacinamos contra a gripe, vamos ter que tomar a vacina contra o coronavírus. Lembro que a primeira etapa da vacinação começou em 17 de janeiro de 2021. Portanto, as pessoas que foram vacinadas no início deste ano deverão ser novamente vacinadas em janeiro”, disse o governador.

Já o farmacêutico e professor da pós-graduação em Farmácia Clínica e Prescrição Farmacêutica no ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, Rafael Poloni, lembra que as pesquisas ainda seguem em andamento, com intuito de determinar a duração da imunidade conferida pelas vacinas contra a Covid-19.

“Só poderemos ter as respostas para essa e outras perguntas conforme mais estudos forem realizados nas populações vacinadas, para determinar se será necessária vacinação anual ou com periodicidade diferente”, explica Poloni.

Novas doses e mais IFAs para Coronavac

A entrega das novas doses da Coronavac faz parte do lote de 1 milhão de doses que será complementado amanhã (15/7), com o envio de mais 200 mil doses para o Programa Nacional de Imunização (PNI).

Com o novo lote, o Butantan totaliza 54,1 milhões de doses enviadas ao PNI desde o início do ano, o que corresponde à metade do total estabelecido com o Governo Federal, no contrato que prevê a entrega de 100 milhões de unidades até o final de setembro.

Ontem (13/7), o Instituto Butantan recebeu cerca de 12 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), matéria-prima para produção da Coronavac. Segundo o G1 apurou, a carga é suficiente para fabricar 20 milhões de doses da vacina. Elas serão entregues ao PNI de 15 a 20 dias depois que a produção começar.

“Com essas 20 milhões de doses, nós vamos a um total de 83 milhões de doses da vacina do Butantan sendo entregues para o MS. Vamos completar as 100 milhões de doses prometidas ao Governo Federal até 30 de agosto, trinta dias antes do prometido", disse Doria no desembarque da carga.

Outra promessa do governo paulista é vacinar todos os adultos, com pelo menos a primeira dose contra Covid-19, até 20 de agosto.

 

 

Fonte: ICTQ - Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade