O tempo seco representa um desafio para a área da saúde em Minas Gerais e no país. As baixas umidades e as mudanças drásticas de temperaturas favorecem a aparição de doenças respiratórias, especialmente em idosos, crianças e pessoas que sofrem de problemas respiratórios pré-existentes. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a umidade ideal para a saúde humana varia entre 50% e 80%. No entanto, em várias regiões do país é comum o registro de índices abaixo de 30% nessa época do ano. Nas grandes cidades, o tempo seco ainda agrava a poluição, dificultando a dispersão dos poluentes no ar.

Adotar e reforçar hábitos para amenizar os efeitos do tempo frio e seco é essencial para manter a boa saúde durante o período, principalmente para quem sofre de problemas respiratórios e dermatológicos. No tempo seco, as vias respiratórias estão mais propensas à ação de germes, vírus e bactérias que causam infecções desde resfriados e rinites a quadros mais sérios, como bronquite e pneumonia. A baixa umidade causa o ressecamento das mucosas das vias aéreas, que rapidamente pode ser percebida pelo desconforto nasal, incluindo casos de ardência e até sangramento.

A maior circulação desses microrganismos no tempo frio e seco é o que causa o surgimento de sintomas como tosse seca, congestão nasal e irritação nos olhos e garganta. Para Iwanna de Paula Gomes, farmacêutica da Drogarias Pacheco, uma das melhores formas de se prevenir durante o tempo seco é com o uso de soro fisiológico para hidratação dos olhos e vias aéreas. “Ao hidratarmos esses locais, conseguimos evitar que agentes causadores de doenças se fixem nas mucosas, que ficam mais susceptíveis no tempo seco”, explica.

A farmacêutica ainda reforça o uso de inaladores nasais e géis hidratantes, por manterem as vias respiratórias hidratadas por tempo prolongado. “São diversos os tipos de inaladores e nebulizadores. Eles podem ser utilizados com o soro fisiológico e até com medicamentos específicos, a fim de prevenir e amenizar a incidência de crises de asma, bronquite, sinusite, inflamação, entre outros”, pontua. “Também é importante o uso do umidificador para manter a umidade do ar elevada em um ambiente fechado. Já a nebulização é uma técnica que ajuda no descongestionamento das vias respiratórios, facilitando a passagem do ar e amenizando desconfortos, como chiado e ofegação”, completa.

Prevenção no dia a dia

O uso de cremes hidratantes para o corpo e o rosto ganha ainda mais importância no tempo seco, evitando dermatites e alergias pelo ressecamento, especialmente para pessoas idosas. No caso das crianças, o uso de hidratantes e protetores solares de linha infantil é importante pois são desenvolvidos de forma a minimizar os riscos de quadros de alergia e outras reações adversas. Esses itens contêm mais filtros físicos à base de minerais, que oferecem mais segurança para as crianças.

A farmacêutica Iwanna de Paula ressalta que o processo de hidratação deve ser tanto interno quanto externo, com a ingestão de água e o uso de hidratantes para a pele, o rosto e os lábios. “Em geral, quadros de saúde leves podem ser tratados em casa, com hidratação, repouso e medicamentos para alívio dos sintomas, se necessário. No entanto, se houver piora dos sintomas ou surgimento de quadros mais intensos, como febre alta, falta de ar ou enxaqueca, a recomendação é sempre de buscar o atendimento médico”, completa.

 

Sobre o Grupo DPSP

Com a missão de proporcionar qualidade no atendimento, cuidados com a saúde e bem-estar a todos, o Grupo DPSP nasceu em 2011 e conta com as redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo. A companhia é um dos principais players do varejo farmacêutico com aproximadamente 1.400 lojas em 9 estados do Brasil, além do Distrito Federal. Hoje, o Grupo DPSP atende seus clientes em lojas físicas, e-commerce, televendas e aplicativo. As marcas Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo levam em seu DNA uma história de confiança e credibilidade no mercado nacional da saúde, preocupando-se constantemente em oferecer excelência em seus processos e a garantia da satisfação do consumidor.

 

 

 

Fonte: Ângelo Franco - Ideia Comunicação