Resultado rápido e preciso para diagnosticar os casos de Covid-19 em toda a Região Sudeste. Mais de 1 milhão de testes rápidos de antígeno serão enviados para os quatro estados que compõem a região mais populosa do país. Os exames são parte da primeira distribuição do Plano Nacional de Expansão da Testagem para a Covid-19, lançado pelo Ministério da Saúde nesta sexta-feira (17).

O novo plano foi apresentado com eventos simultâneos em seis capitais do Brasil. Em Belo Horizonte (MG), o lançamento contou com a presença do secretário de Atenção Especializada em Saúde (Saes) da Pasta, Sérgio Okane. “O plano vai ajudar o gestor estadual e municipal no enfrentamento da pandemia. É assim que o Sistema Único de Saúde (SUS) funciona em todos o país”, afirmou.

O evento na capital mineira, que contou com a realização de 200 testes, também teve a presença do secretário Estadual de Saúde de Minas Gerais, Fábio Bacherretti, e do secretário Municipal de Saúde de Belo Horizonte, Jacson Machado.

“A expansão da testagem é uma medida extremamente necessária para nos ajudar no rastreamento de casos e diagnóstico mais precoce, evitando uma maior transmissão”, afirmou Machado. “Com o crescimento da vacinação e esse aumento no número de testes disponíveis, certamente o estado e os municípios conseguirão fazer um controle muito melhor de surtos e de casos pontuais para acompanhamento. Assim, vamos voltar à normalidade”, disse Bacherretti.

A gratuidade dos testes e o fato de estarem sendo realizados em um lugar de grande circulação em Belo Horizonte foram fatores que atraíram o servente de obras, Warley Kesley. “O atendimento foi ótimo. A equipe foi muito atenciosa. É bom continuar testando porque se deixar parar, a pandemia vai se propagar. Tem que ter sempre”, ressaltou ao esperar o resultado do teste, que foi negativo e saiu em menos de 20 minutos.

A previsão é que cerca de 60 milhões de testes de antígeno, que mostram o diagnóstico com essa rapidez, sejam distribuídos pelo Ministério da Saúde para todo Brasil. Só nesta semana, o Ministério da Saúde envia 2,4 milhões de testes para todos os 5.570 municípios do país, dos 26 estados e Distrito Federal, para garantir a expansão do diagnóstico da Covid-19 em todo território nacional. Nesta etapa, o critério de distribuição será populacional. Em seguida, também serão considerados os cenários epidemiológicos de cada localidade.

Segundo as recomendações do plano, os testes devem ser aplicados para diagnosticar pessoas com e sem sintomas da Covid-19 e podem ser usados em locais de grande circulação. Em uma das estratégias, os estados e municípios serão orientados a fazerem pontos de triagem, onde as pessoas serão convidadas a fazer o teste rápido voluntariamente.

Assim, é possível identificar os casos mais rapidamente, promover o isolamento, rastreamento e testagem dos contatos, que também devem fazer quarentena. Essa estratégia de testagem também é usada para a busca ativa de pessoas que podem demorar para demonstrar qualquer sintoma da Covid-19, para evitar a disseminação da doença. Os testes de antígeno também devem ser usados na investigação de surtos locais da Covid-19, como escolas e lares de idosos, por exemplo.

A expansão da testagem é importante mesmo diante da melhora no cenário epidemiológico do Brasil - a média móvel de casos e mortes pela Covid-19 caiu mais de 70% desde junho e a maioria dos estados registra ocupação de leitos abaixo de 50% - para garantir o controle da doença. Com os registros de casos de variantes pelo país, como a Delta, é ainda mais essencial fazer a testagem em larga escala.

Pode confiar

O teste de antígeno funciona assim: a partir de uma amostra coletada pelo swab nasal ou nasofaríngeo, o exame detecta a presença de uma proteína do coronavírus, para mostrar se a pessoa está infectada e em uma fase com maior risco de transmissão. O teste é mais prático, pois não necessita de um laboratório para ser processado, é de fácil manipulação e pode ficar em temperatura até 30º C.

Com o resultado em 15 minutos, o teste de antígeno tem um grau de confiança elevado, graças a uma tecnologia avançada, que foi se aprimorando desde o começo da pandemia. É importante esclarecer que os testes RT-PCR continuam sendo usados como padrão ouro no Sistema Único de Saúde (SUS), ou seja, são necessários para garantir o diagnóstico.

Deu positivo, e agora?

As pessoas que tiverem o resultado positivo para a Covid-19 serão orientadas a seguirem os cuidados médicos, as medidas não farmacológicas como uso de máscaras, isolamento e procurar uma unidade de saúde. O plano recomenda ainda que seja feito o rastreamento e monitoramento dos seus contatos.

Para quem estiver com sintomas da Covid-19 e testar negativo, a recomendação é para que uma nova amostra seja coletada e enviada à um laboratório de referência, para realização do RT-PCR, para confirmar o diagnóstico.
 

 

 

 

Fonte:Ministério da Saúde