Nesta quarta-feira (19), um dos três policiais de Minneapolis que estão sendo julgados pela morte de George Floyd se declarou culpado das acusações de homicídio culposo e cumplicidade em assassinato em segundo grau. 

Thomas Lane, assistiu o colega de trabalho Derek Chauvin matar George Floyd em uma cena cruel ao se ajoelhar no pescoço do homem e sufocá-lo.  

O caso aconteceu em 2020 e gerou uma onda de protestos pelo mundo por injustiça racial. Chauvin, um policial branco, foi sentenciado a 22 anos e meio de prisão ano passado, após ser condenado pelo assassinato de Floyd, homem negro, preso suspeito de utilizar uma nota falsa em um comércio local.  

Lane tinha seu julgamento programado para junho em Minnesota, mas se declarou culpado.  

Os outros dois oficiais, Tou Thao e J. Alexander Kueng, foram condenados em fevereiro por acusações federais e vão a julgamento em 13 de junho por acusações estaduais. 

Com base no acordo de culpabilidade, Lane passará três anos em uma prisão federal. A pena será cumprida simultaneamente com as acusações federais que ele receber em outra sentença que ainda não tem data marcada.  

Em um comunicado, o procurador-geral de Minnesota, Keith Ellison, afirmou que "o seu reconhecimento de ter feito algo errado é um passo importante para curar as feridas da família Floyd, da nossa comunidade e da nação" disse.