Nos últimos dias vimos alguns movimentos convocando palmas aos profissionais de saúde em meio à crise do novo coronavírus. As homenagens aqueceram a alma de quem se arrisca para garantir uma assistência de qualidade em meio ao caos.
Vimos que a Enfermagem se dedica integralmente ao paciente, buscando ofertar um cuidado à beira leito seguro e livre de danos. Mas ao invés de palmas e postagens de agradecimentos em redes sociais, a ciência do cuidar precisa de valorização profissional.

Frente à pandemia da COVID-19, há mais de 2,3 milhões de profissionais de Enfermagem. Uma equipe empoderada, trabalhadora e que permanece ativa durante 24 horas.

Não apenas em razão de sua capacidade teórico-prática, mas também por se tratar da maior categoria profissional da saúde, a Enfermagem tem enfrentado longas e exaustivas jornadas de trabalho para conter a pandemia.
Por esse motivo, estabelecer um piso salarial e uma jornada de trabalho digna tornaram-se fatores de labuta imprescindíveis à profissão. Mas, ainda, o desafio é receber o apoio de parlamentares na regulamentação de leis que contemplem a Enfermagem.
No dia 12 de maio é comemorado o Dia da Enfermagem, uma data em agraciamento ao nascimento da enfermeira britânica Florence Nightingale. E, além da pandemia COVID-19 que se tornou destaque pela luta à vida, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou 2020 como o “Ano Internacional da Enfermagem”.

Mas não temos o destaque na sociedade!

A maioria dos profissionais, ao decidirem estudar Enfermagem, se depara com algumas perguntas ignorantes, tais como “porque você não quis fazer medicina?” ou “você é tão inteligente, não pensou em ser médico?”. Propósitos comunicativos como esses, além de desconstruir a fundamentação da profissão, desvalorizam o que realmente é a Ciência do Cuidar.

Se escolheu a Enfermagem, é porque quer estudar A ENFERMAGEM!
Não podemos esquecer também que, além dos profissionais que estão na linha de frente da COVID-19, há enfermeiros pesquisadores que buscam os melhores resultados baseados em evidências para o avanço do conhecimento e, muitas vezes, com poucos recursos!

Os profissionais de Enfermagem não são auxiliares de médicos e se dedicam diariamente a prestarem a melhor assistência ao paciente. Essa bela profissão deve comemorar sim o dia 12/05, mas precisamos de um reconhecimento paralelo da sociedade, incluindo as políticas públicas para que o trabalho continue sendo feito com muito amor, carinho e dedicação ao próximo!

Parabéns Enfermagem, não apenas pelo dia 12 de maio, mas sim, por todos os dias dedicados ao cuidado humanizado!

 

 

André Luiz Alvim – Doutorando, mestre em enfermagem e professor do Centro Universitário UNA

 

Fonte: Rede Comunicação