O sonho de um grande número de empreendedores é ter sua startup comprada por uma grande empresa. Mas como fazer isso, é uma grande incógnita para muitos deles. Além de um networking poderoso, é preciso estar em dia com questões legais e ter seus processos e contratos bem amarrados.

“É fundamental que as startups estejam em dia com questões legais, que tenham contratos bem estruturados e possam fornecer segurança jurídica para o comprador, pois na hora de fechar a compra, isso pode influenciar no preço, nas obrigações e no prazo em que o empreendedor tenha que permanecer no negócio. Além disso, ambas as empresas precisam compreender todos os detalhes da fusão ou aquisição”, destaca Robert Oliveira, advogado e sócio do Lage & Oliveira Advogados.

Responsável por todo o processo jurídico da IM Designs, recém comprada pelo Inter, o advogado ressalta que uma startup que almeja ser adquirida, precisa demonstrar capacidade de agregar valor aos investidores. É importante também entender o mercado e as possibilidades em potencial com a junção de forças entre as empresas, compreender aquilo que será relevante para o propósito do potencial comprador. “A estratégia de aquisição deve sempre estar alinhada com o próprio plano de crescimento da empresa. Além disso, as organizações devem se dedicar, a todo tempo, em entregar a melhor experiência possível para o cliente, não somente para uma eventual aquisição”, afirma.

No caso da IM Designs, a startup já vinha se destacando em levar a melhor experiência ao cliente, com tecnologia extremamente inovadora, além de estar se estruturando juridicamente e reduzindo riscos em seu negócio. “Outro ponto importante é lembrar que todas as pessoas da companhia precisam trabalhar juntas para alcançar o sucesso, tendo em vista que o time normalmente é um dos ativos mais importantes em um M&A”. Contar com estratégias de retenção e atração de talentos com processos juridicamente seguros e bem estruturados podem ser um grande diferencial.

Além do mais, entender a dinâmica e o processo de um M&A, desde as primeiras interações com um potencial comprador também fazem a diferença na negociação, por este motivo, pesquisar sobre o tema e ter o feedback de pessoas experientes auxilia bastante na hora de conversar com potenciais investidores”, conta Oliveira.

Por fim, para que o processo ocorra de forma a atender as necessidades e propósito dos empreendedores, é muito importante que o Advisor ou a Assessoria Jurídica a ser contratada tenha fit com o negócio e conheça o contexto da Startup. “Detalhes no fechamento, podem fazer a diferença a longo prazo para os empreendedores. Muitos pontos que não impactam em negócios tradicionais podem ser relevantes para empreendedores de Startups”, ressalta Oliveira.

 

Sobre a Lage & Oliveira Sociedade de Advogados

Fundada pelos advogados Lorena Lage e Robert Oliveira, o escritório atua como preventivo jurídico, realizando uma imersão em todos os detalhes da empresa, para trabalhar de dentro para fora a estruturação de negócios inovadores.