Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), recorreram a um método inusitado para tratar um paciente com Covid-19. Uma mulher, com uma doença genética rara que torna seu sistema imune incapaz de combater vírus, testou negativo para Covid-19 após um tratamento com leite materno.  

Durante uma semana, ela foi orientada a ingerir 30 mililitros de leite materno – de uma doadora vacinada contra o SARS-CoV-2 – a cada três horas. Após 120 dias de tratamento, o teste PCR resultou em negativo.  

Um artigo, publicado em uma revista cientifica informa que após serem divulgados resultados de um estudo mostrando que mulheres lactantes imunizadas com a vacina da Pfizer produziam leite com uma quantidade razoável de IgA, um anticorpo neutralizante de vírus, os médicos resolveram fazer a experência.  

De acordo com a pediatra Maria Marluce dos Santos Vilela, professora da Faculdade de Ciências Médicas (FCM-Unicamp) e autora principal do artigo, explicou que a estratégia foi manter a paciente isolada em casa, sob os cuidados da mãe – que monitorou a oxigenação, temperatura corporal e a nutrição. No hospital ela poderia contrair uma infecção bacteriana, o que tornaria o quadro ainda mais grave. E desde o diagnóstico, em março de 2021, nós a acompanhamos periodicamente por vídeo. 

Ainda segundo a pediatra, só foi possível fazer o ensaio porque há no país uma legislação rígida que garante a segurança dos bancos de leite.