Um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) revelou que as queimadas e os incêndios florestais no Brasil causaram, nos últimos seis anos, mais de R$ 1,1 bilhão de prejuízos aos cofres públicos. Para a pesquisa, a confederação utilizou como base dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O estudo também apontou os locais mais afetados. A região Amazônica foi a mais atingida pelos incêndios entre 2016 e 2021, sofrendo 47,1% das queimadas no período, seguido pelo Cerrado com 31,8% e a Mata Atlântica com 8,9%.

“Já é consenso que o uso da tecnologia pode ajudar e, muito, a minimizar os problemas causados pelos incêndios. Além da tecnologia, como câmeras instaladas em torres de transmissão para mapear as áreas de risco, é feito um levantamento dos locais mais suscetíveis e, em seguida, apresentado um plano de gestão integrado. Com um bom planejamento aliado às tecnologias disponíveis, podemos ter uma boa redução dos danos”, avalia Claudio Gaspari, CEO da Veolink, empresa do Grupo Graber.

Além dos prejuízos causados aos Governos, as queimadas põem em risco as produções agropecuárias, fazendo com que produtores rurais e empresas saem em busca da tecnologia como grande auxiliadora. “A tecnologia hoje é mais do que necessária, não é artigo de luxo. Ela oferece segurança e ajuda o empresário a ter uma melhor performance em sua colheita”, saliente Gaspari.

Infraestrutura e operação

A Veolink utiliza sua expertise, como uma das principais empresas brasileiras de soluções integradas de segurança e gestão, e oferece ao mercado soluções para a prevenção e a detecção de incêndios. “Temos toda uma infraestrutura à disposição do cliente. Podemos fazer um mapeamento detalhado para identificar e definir as áreas de risco e a recorrência de incêndios. Com isso em mãos, partimos para o projeto técnico, totalmente individualizado, que analisa o relevo e a capacidade de visão da câmera e do sistema de detecção”, explica Claudio Gaspari.  A tecnologia oferecida pela Veolink utiliza sistema de dados próprios, dispensando a internet; rede de dados independente; além do sistema de energia solar fotovoltaica, sem o uso da energia elétrica.

Uma Central Integrada de Gestão recebe e envia a informação de campo, em tempo real. Com isso, ganha-se em segurança e mais eficiência no combate aos incêndios. Todo esse sistema detecta precocemente o fogo em 3 minutos com uma geolocalização precisa. 

 

Fonte: Cristiane Miranda - Jornalista Profissional - Assessora de Imprensa