1- Todo farelo tem tendência à formação de uma praia doméstica.
 
2- A solidão é um auto-confinamento mental.
 
3- O isolamento é o Éden da rede social.
 
4- A criatividade se dá mais por esforço pessoal do que por talento.
 
5- Quando um xixi se sobrepõe a outro é hora de dar a descarga. 
 
6- A limpeza em demasia é sintoma de alma suja.
 
7- A libido do grupo de risco não se apaga na ameaça virótica, mas segue residual.
 
8- No confinamento, o livro lido cabe releitura, mas o filme visto segue visto.
 
9- É ato contínuo no confinamento limpar, cozinhar e lavar louças; se bobear, um moto-contínuo.
 
10- O isolamento é a grande provação do mercado.
 
11- Os acelerados da contemporaneidade sofrem só de imaginar um congestionamento nas estradas virtuais.
 
12- Andar de um lado para outro dentro de casa é no fundo um auto-de-comiseração.
 
13- Fazer a cama todos os dias é um simples ato de estética doméstica.
 
14- No isolamento, até o pãozinho dormido tem sabor especial.
 
15- Por via das dúvidas, mantenha sempre um dente de alho ou crucifixo nas imediações.
 
16- O velho chinelão tem lugar na comodidade, mas o descalço supera-o em prazer.
 
17- O espaço físico a que se trata por lar é antes de tudo a história de vida contada em detalhes.
 
18- Sapatos por demais escondem contida vontade de pisar nos outros.
 
19- Solitário, depois do banho você ainda arrisca um cheirinho?
 
20- O dilema sobre quem nasceu primeiro é elucidado logo no descascar do primeiro ovo cozido.
 
21- Fica sozinho apenas quem despreza os seus fantasmas.
 
22- Se não foi você quem lavou-a, se abstenha de pôr a louça no contraluz.
 
23- Comer direto na panela é dar continuidade a uma alquimia que se iniciou no fogão.
 
24- A sobra do almoço é o mexido da janta, quando não o guisadinho do dia seguinte.
 
25- Correr a vassoura nos pés ajuda a isolar qualquer tentação de um outro casório.
 
26- Dormir no sofá faz você se sentir um hóspede mal acomodado de si mesmo.
 
27- Não é recomendável manter garrafas pela metade em casa.
 
28- Não caia na tentação de mexer em coisas de amores passados; eles são passado.
 
29- Sem frescuras, pois o sabonete que corre no rosto é o mesmo que passeia na bunda.
 
30- A geladeira é um cofre de segredo arrombado.