A fila é uma instituição bem brasileira, dizem. Bobagem, ela resulta da tentativa de se obter um mundo civilizado, que não parta para a ignorância de princípio ou por princípio, aqui e alhures. Assim sendo, a hierarquia manda: chegou primeiro, atendimento prioritário. Antes, na base da selvageria, o forte se impunha pela montanha de músculos frente aos fracotes. Quiçá, pelo vômito de impropérios. O valentão impera para contrariedade da galerinha, mas quem contestar há de? Outrossim, algum fora de moda ainda tenta dar "carteirada". Autoridade de variadas graduações furam a fila, apesar dos suspiros recriminadores, embora essa gente seja desavergonhada por falta de educação ou genética. Não fica vermelha por nada. Agora, saiba para sempre, que fila também é cultura. Dia desses, na madrugadora fileira que se forma nas agências da Previdência, escutei pérolas. Uma delas, de um viúvo que, antes de sua mulher ir dessa para melhor, tratou de trazer a jovem namorada de Teófilo Otoni para a capital, encurtando, desse jeito, o tempo de maturação para a titularidade do novo casal. Foi o mesmo quem contou, apenas replico. O melhor, porém, não se deu por conta das coisas do coração. Todos temo-las. Homem acostumado com a lida na roça, informou aos amigos da hora que existe antídoto infalível contra picada de cobra, além, óbvio, do soro. Basta, para isso, que o caboclo tenha um bom imã por alcance. Picado pelo réptil, use o imã imediatamente no lugar. O metal magnetizado sugará na hora todo o veneno, garantiu, sob os olhares atônitos da rodinha. Foi em uma outra fila, também, nessa em ponto de coletivos, que distinta senhora ouviu duas outras em conversa sem fim. Lá pelas tantas, uma virou para a outra e indagou: sabe qual a diferença entre "pobrema" e "probrema"? O primeiro, é de simples solução. O segundo, complicado, exige esforço dobrado, vem lá do "figo" (fígado). Nossa amiga perdeu o ônibus. Deixou-se seduzir pela sabedoria popular. Pegou a próxima jardineira, entretanto, convicta, entre gargalhadas, de que o aprendizado enigmático do teorema hepático valeu o atraso.