Trabalhar mais dias e horas não significa ser mais produtivo e com melhores resultados. Diversas empresas na Europa, Estados Unidos e Brasil estão aderindo à semana de trabalho de quatro dias. “Entre as vantagens, estão o ganho de produtividade dos funcionários, maior motivação e mais equilíbrio entre a vida pessoal e profissional”, afirma Lorena Lage, advogada especialista em direito de startups e fundadora do Lage & Oliveira Advogados. 

No Brasil, as startups têm sido pioneiras em adotar a semana de quatro dias. Em Belo Horizonte, a empresa de tecnologia Crawly já implementou a nova rotina e colhe bons frutos. Outra empresa que está adotando a semana reduzida de trabalho é a Winnin, de software. Ela foi uma das pioneiras no modelo e registra ganhos de 5,6% na produtividade. Em Franca, no interior paulista, a iniciativa foi testada também pela NovaHAus, desenvolvedora de sites e softwares. A empresa adotou a redução do expediente, dando folga às quartas aos funcionários e ainda ofereceu um vale de R$400 para lazer. “O resultado costuma ser de funcionários mais felizes por terem mais tempo para si próprios e para a família, aumentando, por consequência, a produtividade nos dias de trabalho regular”, diz Lorena. 

O próprio escritório Lage & Oliveira Advogados já emenda todos os dias de feriados, planejando e divulgando no início do ano para todo o time se organizar com antecedência e estuda adotar a jornada de trabalho em quatro dias da semana no futuro. “Sabemos que não são as horas investidas que vão garantir a qualidade da entrega do serviço, mas também a motivação do funcionário, que sente-se mais feliz em colocar sua capacidade à disposição do trabalho”, diz Lorena.

A cultura do escritório é colaborativa e inspirada nas startups, todos têm o direito de discordar, assegurando a liberdade de opiniões e os limites de cada um. Lá foi instituído, por exemplo, o “dia do saco cheio”, quando alguém está no limite e precisa de um dia de folga para si.

Estratégia competitiva

Cuidar do bem-estar dos profissionais também pode ser uma estratégia competitiva. “Um time bem alinhado, traz, direta e indiretamente, novos clientes, por meio de indicações e, especialmente, pelo prazer de falar abertamente que gostam de onde trabalham e como são valorizados", ressalta Lorena. Os colaboradores que se sentem bem cuidados e valorizados, diz, atraem outras mentes brilhantes que estão em seu círculo de amizades e que podem se interessar em trabalhar na empresa. 

“Sempre frisamos aos nossos clientes que colaboradores satisfeitos não retornam com problemas jurídicos e ações judiciais. O colaborador insatisfeito é que se tornará um problema futuro para a empresa”, afirma a advogada. 

Segundo Lorena, é possível zelar pela equipe sem perder a produtividade. “Não precisamos de colaboradores adoecidos, estressados. Precisamos de pessoas felizes e motivadas para o trabalho e para a vida. Alta produtividade é trabalhar bem, não trabalhar demais”, diz.

Para Aidan Harper, coautor de um livro que promove a semana de quatro dias de trabalho ("The Case for a Four Day Week"), países que trabalham menos tendem a ter maior produtividade, como é o caso da Dinamarca, Suécia e Holanda.  

No Brasil, do ponto de vista legal, a regra é que a jornada seja de 8 horas diárias e até 44 horas semanais. É previsto também o descanso semanal remunerado, que ocorre uma vez na semana. “Mas pode haver uma negociação coletiva com sindicatos ou até mesmo um simples acordo individual entre trabalhador e empresa para reduzir essa carga horária e tornar possível o trabalho em apenas quatro dias da semana, de acordo com o interesse da empresa e do colaborador”, diz Lorena.

É importante destacar que há a necessidade de avaliar os interesses e impactos para ao momento de redução da carga horária de trabalho, para 4 dias da semana, tendo em vista que a estratégia deve mapear o cumprimento de importantes direitos do colaborador, tal como a não redução do salário. A estratégia deve ser bem estruturada para que apenas os bônus desta prática sejam colhidos.

 

Fonte: Hipertexto Comunicação Empresarial