Cresce de modo assustador o número de suicídios em Brumadinho e arredores. Dia destes, no ambulatório médico local, dois corpos aguardavam encaminhamento de autópsia. Eram de gente que ceifou a própria vida. Desnecessário dizer que o fenômeno ganhou contornos fúnebres depois do desastre ambiental provocado pelo rompimento da barragem de rejeitos da Vale. Quando toda uma existência fundamentada no microcosmo coletivo e individual perde o sentido, no tempo e no espaço, aos desesperados resta um nada.