Com a pandemia, muita gente passou a ficar mais em casa e, dessa forma, acabou fazendo compras e pagamentos pela internet e aplicativos, comportamento que contribuiu para o aumento de movimentações digitais do Sicoob em 2020 e no começo deste ano. O ano de 2021 começou com recorde para a instituição financeira. Em 11 de janeiro deste ano, de todas as transações realizadas pelos cooperados do Sicoob, nove a cada dez foram feitas pelos canais digitais, sendo que 72% foram exclusivamente pelo App Sicoob. “O dado confirma que estamos cada vez mais digitais. Afinal, a tecnologia oferece rapidez e comodidade”, observa o Diretor Executivo do Sicoob Central Crediminas, Elson Rocha Justino. Apesar de todo o avanço tecnológico, o executivo ressalta que todo cuidado é pouco na hora de comprar e pagar, pois os golpistas são bem criativos. “Tenha cuidado com seus dados e senhas, são informações importantes, não passe para qualquer pessoa. Como bom mineiro, desconfie sempre”, recomenda.

Em 2020, o Brasil teve um crescimento significativo no número de detecções de ataques de engenharia social — que são estratégias para convencer as pessoas a fornecerem informações pessoais aos golpistas, como CPF, senhas e números dos cartões. De acordo com a Eset, desenvolvedora de soluções de cibersegurança, houve aumento de cerca de 200% frente a 2019. O Mapa da Fraude - Resultados 2020, divulgado pela ClearSale, mostra que os segmentos de e-commerce, mercado financeiro, vendas diretas e telecomunicações sofreram 403 tentativas de fraude por hora no ano passado ou 7 tentativas de fraude por minuto.

Diante desses dados, é preciso ficar atento, alerta o executivo. No caso de delivery, ele recomenda fazer o pagamento pelo aplicativo e não no momento da entrega. E nas compras virtuais, a dica é desconfiar se a oferta está muito abaixo do preço de mercado, dos concorrentes. “É aquela velha história, quando o milagre é demais, o santo desconfia,” diz.

E até mesmo o WhatsApp merece cuidado.  “No golpe do WhatsApp, o fraudador cadastra o número de telefone da vítima em outro dispositivo e usa da engenharia social para convencê-la a informar o código que o aplicativo envia por SMS. Em seguida, o WhatsApp da vítima é bloqueado no seu telefone e o golpista usa a conta, cadastrada em outro dispositivo, para enviar mensagens pedindo dinheiro em seu nome. Uma forma eficiente de se proteger nesses casos é ativando a verificação em duas etapas no seu aplicativo de WhatsApp” alerta.

Outra recomendação do especialista é ficar atento também às mensagens de pessoas conhecidas pedindo dinheiro. “Nesse caso, é importante desconfiar, pois um amigo ou familiar é quem pode ter sido a vítima do golpe”, completa.

PRESENCIAL

Justino aconselha cuidado também na hora de pagar com o cartão, mesmo presencialmente. “Fique de olho. Não deixe que o atendente faça a transação longe de você. Também não faça qualquer pagamento se a máquina do cartão estiver com o visor quebrado ou caso você não consiga ver o valor. Solicite sempre a via do comprovante de venda e confira o valor impresso da compra”, alerta.

E mesmo com todo o avanço da tecnologia, o golpe dos boletos ainda persiste. O diretor do Sicoob observa que esses documentos muitas vezes são oferecidos para pagamento pelos golpistas com descontos. E aconselha que ao pagar um boleto de cobrança, verifique sempre se os dados do “beneficiário” são de quem lhe vendeu o produto ou serviço. “Os fraudadores falsificam boletos com supostos descontos e enviam para a vítima em substituição ao disponibilizado no débito automático, por exemplo, apresentado como uma vantagem para as pessoas. Eles parecem reais, mas assim que o pagamento é realizado, os recursos são desviados para o golpista e a dívida continua. Por isso, ao receber um boleto para pagamento de forma diferente da usual, desconfie e faça contato com a empresa pelos canais habituais”, diz.

Veja abaixo algumas dicas do Diretor Executivo do Sicoob Central Crediminas, Elson Rocha Justino.

Na hora de comprar pela internet:

- Quando possível, opte pelo cartão virtual;
- Antes de comprar, sempre pesquise a reputação da loja;
- Desconfie de ofertas muito abaixo do preço de mercado;
- Verifique se as informações da aba “sobre” ou “contato”, como telefone, endereço do escritório, e-mail, canal de atendimento e CNPJ existem de fato.

Cartão físico:

- Nunca perca seu cartão de vista;
- Para evitar que seus dados sejam usados em compras sem você notar, nunca forneça senha, número e código de segurança do cartão em SMS, e-mail ou WhatsApp.

 

Fonte: Juliana Gontijo - Press Comunicação Empresarial