INÍCIO / COLUNISTA / Luiz Tito
Terça-feira, 06/02/2018, às 09:58:00, por Luiz Tito

BEM VINDO A MINAS, LULA

Amanhã, BH será palco do lançamento da pré-candidatura de Lula à Presidência da República. Lideranças do PT acreditam que os resultados de pesquisas realizadas no país após a condenação do ex-presidente pelo TRF-4 sejam suficientes para estimular a iniciativa e que Minas Gerais, o maior e mais importante Estado da federação governado por Fernando Pimentel, integrante da mesma legenda de Lula, seja o espaço ideal para abrigar tal evento.

Há dúvidas. Pela sua posição geográfica, seus limites com um maior número de Estados do país e sua formação histórica, “Minas, -como já dissera um ex-governador-, é o Estado síntese da nacionalidade”. Por isso é que aqui se dá o amálgama do pensamento, das angústias, da esperança e da falta dela quando estão postas as questões nacionais. Aqui sempre repercutem os êxitos e as crises com os quais convivem o Brasil e os brasileiros; a crise econômica, a crise política, a crise moral e a crise ética que nos últimos tempos comprometeram o desenvolvimento, a prestação de serviços públicos essenciais à sociedade, como saúde, educação, habitação, segurança, expondo fragilidades e resumindo a um desgoverno a administração que temos do nosso Estado.
Lula, e é ótimo que assim ele e sua trupe sintam, encontrará uma Minas sobrevivente, num lastimável e duradouro quadro de dificuldades que já exauriu toda a capacidade administrativa e política do grupo que a governa. Na saúde, o atraso no repasse de verbas federais aos municípios e aos hospitais coloca tais serviços públicos em grau de indigência absoluta; há hospitais públicos em Minas onde faltam recursos os mais elementares de assistência. E não é necessário que se vá a rincões muito distantes; na região metropolitana de BH essa carência está claramente demonstrada. O Hospital do IPSEMG é um triste exemplo desse abandono, onde serviços os mais elementares são sonegados ou pessimamente prestados. E o pior: nosso investimento em saúde pública é o mais baixo e menos representativo dos últimos tempos.
Na educação não se transferem recursos para o pagamento do transporte, da merenda e dos materiais escolares, sem contar que a remuneração dos professores é das mais reduzidas em todo país. Na habitação, não fossem os programas federais que transformaram tal carência num rentável negócio para bancos e construtoras, estaria um desastre ainda maior. Mesmo assim, o que se vê é uma densa migração de famílias, de regiões miseráveis como o Vale do Jequitinhonha, o Mucuri e o Norte de Minas para a região metropolitana, como nunca visto anteriormente. Centenas de pessoas chegam diariamente às favelas, para agravar a miséria, a insegurança, a falta de saneamento e a doença. Quanto à segurança, a superlotação das cadeias e penitenciárias, a ausência do Judiciário –juízes e promotores- em quase uma centena de comarcas do Estado, a corrupção todos os dias denunciada do negócio em que se transformou o sistema penitenciário demonstram com cores vivas nossa situação.  Se você e seus cúmplices, Lula, não tivessem mandado o dinheiro brasileiro para financiar obras milionárias alimentando a corrupção de empreiteiras em ditaduras de seus compadres e, em paralelo, não tivessem engrossado sua própria fortuna e a de centenas de seus seguidores, felizmente muitos já presos e outros, inclusive você, nesse caminho, tais serviços poderiam estar melhor oferecidos a quem deles tanto necessita.
Então, seja bem vindo, Lula, e veja você mesmo o estado de nossas mazelas.
(ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL O TEMPO, PÁG. 2, EM 06.02.2018)